SADC define normas para facilitar circulação de bens

O Conselho de Ministros da SADC estabeleceu, ontem, um conjunto de normas para facilitar a transportação e circulação de bens na região, que deve passar pela testagem e exibição de certificados para manter o funcionamento das economias.

Luanda /
24 Jun 2020 / 11:33 H.

A informação foi avançada pelo ministro das Relações Exteriores, Téte António, que chefiou a delegação angolana na reunião extraordinária do Conselho de Ministros, realizada por videoconferência.

Téte António sublinhou que durante a reunião não foi abordada a perspectiva de transporte de pessoas, uma questão que deve ser analisada a outros níveis.

A reunião analisou, também, os procedimentos operativos normalizados para a gestão e monitorização do transporte rodoviário transfronteiriço nos pontos de entrada e postos de controlo da COVID-19.

O Conselho de Ministros da SADC identificou o mercado indiano para a aquisição de produtos de biossegurança, considerando-o um ramo com uma diversidade de fornecedores.

Questionado se Angola fará parte da plataforma online, criada pela União Africana para a aquisição de medicamentos, Téte António indicou que os países são soberanos e podem decidir a forma mais adequada para satisfazer as suas necessidades.

País está bem alinhado

O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, que integrou a delegação, garantiu que o país está bem alinhado com a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral. A grande preocupação, diz ter a ver com a facilidade de transportação de mercadorias ao nível da região.

“Os países necessitam de ter essa circulação de mercadorias, mas que seja uma circulação de forma segura, quer para os países receptores quer para os motoristas e para as populações da região”, sublinhou, numa alusão de que “os procedimentos adaptados de facilitação do transporte de mercadorias não sejam um veículo de transmissão comunitária do novo coronavírus e expansão da pandemia”.