Portugal: Exportações aumentam 8,6% e importações crescem 1,3% em Novembro

As exportações de bens aumentaram 8,6% e as importações subiram 1,3% em Novembro face ao mesmo mês de 2018, desacelerando face a Outubro (6,9%), divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Angola /
10 Jan 2020 / 11:05 H.

Segundo as Estatísticas do Comércio Internacional divulgadas, destacam-se os acréscimos nas exportações e importações de material de transporte (38,6% e 28,4%, respectivamente), sobretudo nas exportações de automóveis para transporte de passageiros e nas importações de outro material de transporte (sobretudo aviões).

O INE realça ainda os decréscimos nas exportações e importações de fornecimentos industriais (-7,4% e -7,8%, respectivamente), principalmente de produtos transformados.

“Especialmente no caso das exportações, a taxa de variação homóloga reflecte em parte o decréscimo significativo das exportações observado em novembro de 2018, em resultado da greve dos estivadores no porto de Setúbal e que afectou particularmente as exportações de automóveis para transporte de passageiros”, refere o instituto.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 6,1% e as importações cresceram 2,4% (7,4% e 6,4%, respectivamente, em Outubro de 2019).

Face ao mês anterior, em Novembro as exportações diminuíram 6,2% (13,7% em Outubro) e as importações diminuíram 3,9% (8,2% em outubro de 2019), o que, segundo o INE, poderá estar relacionado com o facto de o mês de Novembro ter menos três dias úteis que o mês anterior.

No trimestre terminado em novembro de 2019, as exportações e as importações aumentaram, por sua vez, 7,4% e 6,6%, respectivamente, face ao trimestre terminado em novembro de 2018 (3,4% e 5%, pela mesma ordem, no trimestre terminado em Outubro).

Em Novembro de 2019, tendo em conta os principais países de destino e os principais fornecedores em 2018, o INE destaca o acréscimo nas exportações para Alemanha (25,5%), principalmente de automóveis para transporte de passageiros, e o decréscimo nas exportações para Angola (13,5%).