BFA aponta resultados líquidos negativos

Créditos sobre clientes ficaram em 327, 9 mil milhões de Kz em 2019, aumentando 10,8% em comparação com o 2018, fixado num valor de 295,842 mil milhões de Kz

Luanda /
16 Out 2020 / 11:28 H.

O Banco de Fomento Angola (BFA) obteve no exercício económico de 2019 resultados líquidos de 119.940,2 milhões Kz e 313,5 milhões USD. Tais valores representam uma redução de 31,2% em relação a 174. 259 milhões Kz e 55,9% no comparativamente com 710,2 milhões USD do balanço de 2018, segundo dados do Relatório e Contas da instituição.

De acordo com o documento que a administração do banco colocou à disposição do público na sua página de Internet esta semana, o total de activos registou um crescimento de 28,8%, para 2.195 058 milhões Kz e uma redução de 17,5%, fixando-se em 4 551,9 milhões USD.

Em termos de capitais próprios e equiparados, o banco registou um acrescimento de 22,1%, atingindo em 2019, 462.205,9 milhões Kz, contra os 378.500,92 milhões Kz. Em moeda estrangeira, os capitais próprios e equiparados registaram uma queda de 1.226,48 milhões USD, em 2018, para 958,5 milhões USD, uma redução de 21,9%.

Em termos de fundos próprios, a instituição afirma existir uma tendência crescente de 325.216 milhões Kz, em 2018, para 414. 929 milhões Kz em 2019, um aumento 27,6%.

No período em análise, o BFA apresentou um rácio de solvabilidade de 58,5%, contra os 53,8% do ano passado, um resultado muito acima do valor mínimo exigido (10%).

Números interessantes no balanço do BFA têm a ver com os créditos sobre clientes fixados em 2018, num valor de 295.842,5 milhões Kz e 327.936,7 milhões Kz, em 2019, um aumento de 10,8%.

O documento reporta que o banco controla 197 balcões em todo o País, mais cinco em relação ao ano passado, um aumento de 2,6% e manteve a tendência de crescimento do número de clientes, aumentando 9,1% face 2018, que atingiu os 2 067 844 clientes. Já o depósito total de clientes no banco, por altura do fecho do balanço a 31 de Dezembro, apresentou um crescimento do volume face a 2018, registando um total de 1 622 897,6 milhões Kz.

Revela, entretanto, uma ligeira diminuição da taxa de penetração de cartões de débito e a taxa de penetração de net, nos valores de 53,9% e 24,9%, respectivamente.

Aposta na digitalização

Em 2019, o BFA criou a Direcção de Transformação Digital com a missão de potenciar a eficácia e eficiência do Banco, bem como, suportar o desenvolvimento de soluções que promovam um maior envolvimento dos clientes com o Banco e um foco cada vez maior nas suas necessidades e na qualidade do serviço prestado.

Neste sentido, a nova direcção promoveu uma iniciativa de definição das jornadas de cliente, procurando identificar novas formas de servir e solucionar constrangimentos críticos no relacionamento com os clientes, promovendo uma melhoria na qualidade do serviço prestado.

Temas