Médicos e enfermeiros em pé de “guerra”

Médicos e enfermeiros angolanos estão de costas voltadas. Em causa estão os pronunciamentos da bastonária da Ordem dos Médicos de Angola, Elisa Gaspar, que supostamente desvaloriza os enfermeiros.

Angola /
20 Jun 2019 / 10:58 H.

Em causa estão os pronunciamentos da Bastonária da Ordem dos Médicos de Angola, Elisa Gaspar, que supostamente desvaloriza os enfermeiros. Está quarta-feira (19.06.), as organizações socioprofissionais da saúde chamaram a imprensa para apresentar o que chamam de “protesto” e exigem desculpas públicas da responsável.

As supostas declarações de bastonária da Ordem dos Médicos de Angola foram proferidas no dia 25 de maio deste ano, na província angolana do Cunene.

No áudio apresentado esta quarta-feira em conferência de imprensa pelas organizações socioprofissionais, a responsável teria dito que os enfermeiros não podiam passar receita médica e que um “médico é um Deus na terra”. Elisa Gaspar também denunciou a existência de falsos médicos cubanos.

“Mas como é que um enfermeiro vai discutir um problema clínico? É impossível porque cientificamente não está qualificado para a discussão do caso e, as vezes quer discutir com o médico porque ele é o director da unidade hospitalar. Director clínico só pode ser médico. Nalgumas províncias os enfermeiros assinam certidões de óbito. O que é que ele entende da nomenclatura para assinar as certidões? Acabar com os enfermeiros que passam as receitas médicas”.