CFL: Dez grevistas condenados a 6 meses de cadeia

O Tribunal Provincial de Luanda condenou a 6 meses de prisão, convertidos em multa, dez trabalhadores grevistas do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL), por crimes de desacato à autoridade.

Angola /
15 Mai 2019 / 10:21 H.

O julgamento sumário, na sequência das detenções efectuadas, segunda-feira, pela Polícia Nacional, teve início às 14:00 de terça-feira, tendo a sentença sido conhecida às 22:00.

Os réus - Lourenço Contreiras, Vicente Eduardo, Dissoleca Quinkela, Agostinho Nguxi, Fernando Quiacuma, Mauro Lobito, Gelson Santana, Pedro Mussandi, Aguinaldo Danilo e Dionísio Kikassa - viram a sua condenação convertida em multa de 25 mil kwanzas (68 euros) e não provado crime de injúria de que foram acusados.

O advogado de defesa não considerou a sentença justa, por, alegadamente, não ter sido provada a acusação, nomeadamente que se tivessem colocado sobre a linha férrea para impedir a passagem do comboio e desacato face às autoridades.

Os trabalhadores do CFL estão em greve, a segunda este ano no espaço de dois meses, há quase um mês, para reivindicar melhores condições de trabalho e salarial, sendo o principal ponto de divergência um aumento dos salários na ordem dos 80%.

O incidente de segunda-feira, que esteve na origem do julgamento de hoje, teve início quando a empresa colocou em circulação um comboio suburbano de passageiros, para garantir os serviços mínimos exigidos por lei em caso de greve.

Na ocasião, um grupo de trabalhadores, segundo a empresa, terá tentado impedir a circulação do comboio, colocando-se na linha férrea, tendo a polícia sido chamada a intervir para repor a marcha da composição, o que culminou com a detenção de alguns dos grevistas.

Temas