Reino Unido: Jeremy Hunt em alta, Michael Gove a cair

Está aberta a corrida à sucessão de Theresa May e as surpresas já começaram. A principal delas foi a forma muito pouco calorosa como o partido recebeu a candidatura de Michel Gove, depois de este ter revelado um anterior consumo de cocaína.

12 Jun 2019 / 10:53 H.

O discurso tem sido bem recebido, apesar de todos saberem que uma parte importante dos Conservadores quer um Brexit duro e sem acordo, tal como defende Johnson. Mas, segundo a imprensa britânica, nem todo o partido que alinhar atrás de uma visão que pode ternar as coisas muito difíceis – num contexto em que os grandes números já estão a derrapar: a economia do Reino Unido encolheu e a produção industrial sofreu uma desaceleração de cerca de 2,7% em março, o que denota o acumular de dificuldades.

A esperança de Hunt é que o partido seja sensível a estes números e encare a saída sem acordo como ela é: um passo no desconhecido, cujos contornos ainda ninguém conseguiu antecipar com clareza.

Para já, Hunt – que os seus detractores costumam considerar uma versão masculina de Theresa May, conseguiu duas adesões de peso: a ministra do Trabalho e Pensões, Amber Rudd, e a ministra da Defesa, Penny Mordaunt.

“Eu confio nele para gerir o Brexit, porque vi-o falar sobre isso nas reuniões do Conselho de Ministros no ano passado”, disse Mordaunt, citada pelos jornais britânicos.