Irão nega EUA e diz que não foi o autor do ataque às instalações de petróleo sauditas

O ataque já foi reivindicado pelo grupo Houthi, do Iémen e que é pró-Irão. A Guarda Revolucionária iraniana diz-se pronta para a guerra e que as bases norte-americanas e porta-aviões estão a dois mil quilómetros de distância.

16 Set 2019 / 12:00 H.

O Irão negou este domingo as acusações norte-americanas de que estaria por trás do ataque às instalações petrolíferas sauditas e avisou as bases e os porta-aviões norte-americanos presentes na região, noticia a “Agência Reuters”.

O ataque já foi reivindicado pelo grupo Houthi, do Iémen e que é pró-Irão, mas o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, acusou o Irão.

O porta-voz dos Negócios Estrangeiros do Irão, Abbas Mousavi, disse que as acusações norte-americanas são “infundadas”. Um comandante da Guarda Revolucionária iraniana avisou que a República Islâmica está pronta para a guerra.

Outro comandante revelou ainda que as bases e os porta-aviões norte-americanos se encontram a dois mil quilómetros do Irão e que estão no perímetro dos mísseis iranianos.

No sábado, drones atacaram instalações petrolíferas sauditas, incluindo a segunda maior refinaria do mundo, da Saudi Aramco, a empresa petrolífera estatal da Arábia Saudita. O ataque prejudicou 50% da produção de petróleo da Arábia Saudita, que é o maior exportador de “ouro negro” do mundo.

Horas após o ataque, a Saudi Aramco disse que o ataque cortou a produção em 5,7 milhões de barris de petróleo por dia e não deu um prazo para repor a produção. No entanto, uma fonte revelou àquela agência noticiosa que a reposição da normalidade nas instalações afectadas poderá demorar semanas.

Os analistas de mercado antecipam que o barril de petróleo possa subir até aos 100 dólares se o reinado saudita não repor a produção.