Sudão: Militares e oposição estabelecem período de transição de três anos

Depois de quase 12 horas de negociações, líderes do exército sudanês e da oposição acordaram, na noite passada, um período de transição de três anos para a transferência de poder para uma administração civil completa.

15 Mai 2019 / 12:59 H.

O anúncio foi feito pelo porta-voz do Conselho Militar de Transição sudanês. O tenente-general Yasser Atta diz que nos primeiros seis meses serão assinados acordos de paz para acabar com a violência contínua no país. O futuro conselho legislativo deverá ser constituído por 300 membros, com pelo menos três quartos deles provenientes do movimento civil. Espera-se que um acordo completo e final seja finalizado dentro de 24 horas.

O acordo foi alcançado após a morte de cinco pessoas, incluindo um oficial do exército, alvejadas durante protestos na noite de segunda-feira.

O porta-voz do movimento civil Declaração de Liberdade e Mudança de Forças, Madani Madani, disse que o ataque será investigado: “O Conselho Militar anunciou a formação de uma comissão para investigar o ataque contra manifestantes.”

Nos protestos, os manifestantes queriam expôr a sua insatisfação com o acordo celebrado anteriormente com o exército. Militares e oposição tinham chegado a acordo sobre a composição do novo governo de transição, que prevê a designação de um conselho de soberania controlado pelos militares até às próximas eleições. Em princípio, os civis também deveriam ser membros deste conselho, mas faltava negociar a ocupação concreta do órgão.