Ruanda e Uganda assinam acordo para pôr fim aos conflitos entre os dois

As relações entre os dois países deterioraram-se nos últimos meses com acusações de espionagem, assassinato político e interferência nos assuntos internos.

Luanda /
21 Ago 2019 / 16:26 H.

Foi assinado hoje o Tratado de Luanda para pôr fim aos desentendimentos entre os povos de Ruanda e de Uganda. Foram signatários os presidentes dos dois Estados, Paul Kagame do Ruanda e Yoweri Museveni chefe de Estado do Uganda.

As relações entre os dois países deterioraram-se nos últimos meses com acusações de espionagem, assassinato político e interferência nos assuntos internos.

Os dois presidentes comprometeram-se, em nome do povo, a honrar o acordo de modo a garantir a boa convivência entre os dois povos, bem como a paz e a tranquilidade na Região dos Grandes Lagos.

Testemunharam a assinatura do acordo o Presidente de Angola, João Lourenço, na qualidade de anfitrião e facilitador, Félix Tshisekedi, Presidente da República do Congo, também na qualidade de facilitador e Denis Sassou Nguesso, Presidente do Congo e presidente da Conferência Internacional dos Grandes Lagos, na qualidade de observador, assim como o decano do corpo diplomático e um representante das Nações Unidas.

Félix Tshisekedi destacou a importância deste acordo de entendimento uma vez que os países africanos pretendem estabelecer a Zona de Comércio Livre de África, sublinhando que conflitos como os que se verificam entre Ruanda e Uganda podem comprometer este objectivo, pelo que o Tratado de Luanda é uma demonstração clara da maturidade dos lideres africanos em resolverem os seus próprios problemas.

João Lourenço disse que “entre pessoas, famílias, comunidades ou países às vezes existem desentendimentos de maior ou menor dimensão que importa que sejam resolvidos de preferência entre si ou com concurso de outros que querem ver em paz, ajudando mutuamente e a cooperar para o desenvolvimento de ambos, vivendo em plena harmonia”. João Lourenço, cujo papel para a assinatura deste memorando foi destacado, considerou missão cumprida, afirmando que “valeu a pena a tentativa de aproximação dos dois líderes”.

A tentativa de aproximação dos Presidentes do Uganda e do Ruanda começou em Kinshasa no ano passado à margem das exéquias de Etieni Tshisekedi, pai do actual Presidente da República do Congo, em que participaram João Lourenço, Paul Kagame e Yoweri Museveni.

A segunda cimeira aconteceu a 12 de Julho em Luanda em que estiveram sentados na mesma mesa o chefe de Estado do Uganda e do Ruanda, acompanhados pelos Presidentes de Angola e da República do Congo na qualidade de facilitadores.

A cimeira quadripartida de hoje, 21 de Agosto de 2019, pode ficar na história dos dois países caso resulte no entendimento definitivo. De referir que já houve várias tentativas de pacificar os dois países, mas sem sucesso.