Galerista angolano entre os júris do Portuguese Emerging Art

A publicação anual, promovida pela associaçãocultural EMERGE, tem como principal objectivo a promoção nacional e internacional do trabalho desenvolvido por artistas plásticos portugueses emergentes.

01 Nov 2019 / 11:24 H.

Apesar de já estar disponível em formato digital para a pré-visualização, o livro “Portuguese Emerging Art 2019”, que conta com o texto curatorial do galerista angolano Danilo Fortunato, será conhecido no próximo dia 9, em Serralves.

Trata-se de uma publicação de 224 páginas cujo o conteúdo recai exclusivamente para as artes, e a selecção é feita selecção por um júri internacional constituído por: Danilo Fortunato de Angola, Hugo Dinis Portugal, Heloisa Vivanco Pires do Brasil e María Gracia de Pedro de Espanha.

Escolhidos a dedo, o corpo de jurados, é talhado para este tipo de avaliações, sendo peritos em galerias, e consultor de arte contemporânea, arquitectura e designer de exposições, pesquisas

e gestão cultural. Publicado em inglês, o livro é dirigido a académicos, profissionais das artes, responsáveis de museus e galeristas, coleccionadores ou interessados em adquirir obras de arte contemporânea.

Desta feita, o “Portuguese Emerging Art 2019” é um reflexo do que de melhor se fez artísticamente em terras lusas este ano, contemplando o ´digital/ new media art’, cerâmica artística, desenho, escultura, fotografia, instalação artística, arte performativa, pintura, ´sound art´ e videoarte. De acordo com a EMERGE, o objectivo é “contribuir para a renovação do olhar sobre a produção artística contemporânea portuguesa, divulgando-a internacionalmente, através de parcerias que permitam ampliar o seu alcance de forma estratégica e efectiva noutros mercados”. Ao Vanguarda, Danilo Fortunato avançou que este convite chega como reconhecimento e “incentivo para continuar a trabalhar e produzir conteúdos”.