Guiné Equatorial diz que não há discrepâncias com FMI

O Governo da Guiné Equatorial disse que não há discrepâncias nos dados macroeconómicos enviados ao FMI, uma vez que os valores dizem respeito ao crescimento nominal e não ao crescimento real, que continua em recessão.

12 Jun 2019 / 10:17 H.

Em declarações à Lusa, uma fonte oficial do executivo explicou que os números que aparecem na página do Fundo Monetário Internacional (FMI) referente ao novo sistema de disseminação de dados harmonizados dizem respeito ao crescimento nominal da economia, que tem aumentado, ao passo que o crescimento real está negativo desde 2015, quando registou uma recessão de 9,1%.

“Apesar de a economia da Guiné Equatorial continuar em recessão, observou-se uma melhoria na evolução do crescimento do seu PIB em comparação com os anos anteriores, passando de -9,1% em 2015, para -8,8% em 2016 e uma melhoria para -4,7% em 2017″, explicou esta fonte oficial, que aponta também para uma previsão de recessão de 2,9% no ano passado e de um novo crescimento negativo este ano, de 3,1%.

A informação usada anteriormente pela Lusa consta das tabelas dos números oficiais enviados ao FMI ao abrigo da adesão ao programa avançado de disseminação de dados que o Fundo encoraja os países a usar para promover a transparência nas contas públicas, nas quais constam os dados do crescimento real e o crescimento nominal, embora sem especificar qual das parcelas corresponde a que tipo de crescimento.

Nessa página, constata-se que em termos de crescimento real, os valores apontam para crescimentos positivos de 7,3% em 2017 e de 3,4% no ano passado, ao passo que o crescimento real aponta para valores negativos nos últimos anos.