Base monetária aumenta 4% em Julho e influencia outros agregados

Quantidade de moedas e notas em circulação na economia ou em poder do público subiu perto de 2%, cifrando-se em 338,69 mil milhões Kz.

06 Set 2019 / 10:11 H.

A base monetária aumentou quase 4% em Julho face a Junho de 2019, cifrando-se em cerca de 4,5 biliões Kz, calculou o Vanguarda com base na última informação estatística disponibilizada pelo Banco Nacional de Angola (BNA).

Segundo os dados, a quantidade de notas e moedas em circulação passou de 333,06 mil milhões Kz, em Junho, para 338,69 mil milhões Kz, em Julho, um aumento de aproximadamente 2%. Os depósitos transferíveis também foram influenciados pelo aumento da base monetária, tendo crescido perto de 4% em Julho, relativamente ao mês anterior.

Em moeda nacional, os depósitos transferíveis aumentaram cerca de 2%, passando de 2,56 para 2,61 biliões Kz.

A variação mensal dos depósitos em moeda estrangeira, em Julho, foi de aproximadamente 7%, de acordo com os cálculos do Vanguarda.

A base monetária é o indicador da quantidade de moeda em circulação na economia. A sua redução ou aumento resultam das medidas tomadas pelo banco central, no âmbito da política monetária adoptada. O aumento ou redução da base monetária tem muito a ver com o coeficiente das reservas obrigatórias e a Taxa Directora do BNA.

De acordo com os fundamentos económicos, o aumento da base monetária implica mais dinheiro em circulação, enquanto a redução da mesma significa diminuição do numerário em poder do público - o que pode influenciar uma tendência de queda da inflação.

A redução ou aumento da base monetária é resultado da política adoptada ou implementada pelo banco central que pode ser restritiva ou expansionista, explica Fernando Vunge, docente da Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto (UAN).

Leia mais nesta edição nº135 do Jornal Vanguarda, já nas bancas.